E o trabalho está só começando…

Nestes 100 dias a agenda foi intensa. No total a deputada Damaris participou de mais de 200 reuniões, comissões, eventos e discussões no plenário. Trabalhando sempre com o objetivo de aprovar projetos e propor ideias em defesa das suas bandeiras e causas nas quais acredita, que são: Defesa dos Direitos Humanos, da Liberdade Religiosa, da proteção aos vulneráveis, e contra a violência de qualquer tipo às crianças, idosos e mulheres. Por isso, um dos seus primeiros projetos de lei foi para a instituição do “Dia da Campanha Quebrando o Silêncio” no Estado de São Paulo, a ser celebrado, anualmente, no quarto sábado do mês de agosto. O objetivo é orientar as vítimas de violência, em especial, as crianças, mulheres e idosos para que denunciem os maus tratos e violências sofridas. Uma boa notícia é que o PL está tramitando a todo vapor nas comissões e em breve deverá ser aprovado! Com o aumento dos casos de feminicidio no Estado de São Paulo em 76% no primeiro trimestre do ano, do abuso contra crianças e adolescentes também e contra os idosos, a Campanha Quebrando o Silêncio será um marco importante para a refl exão de toda a sociedade. Neste período, também por meio da deputada Dra. Damaris Moura foram criadas duas Frentes Parlamentares: a de Combate ao Abuso e Violência Domésticos e, em defesa do direito de Liberdade Religiosa. As Frentes Parlamentares têm por objetivo debater e gerar ideias para a criação de políticas públicas de combate ou prevenção em relação a determinado assunto. Assim como, promover campanhas educativas ou de engajamento de toda a sociedade. De acordo com a deputada Damaris, “as inúmeras atividades destes primeiros 100 dias são uma amostra da velocidade com que o trabalho deverá ser feito neste mandato. Ao ser eleita assumi um compromisso com todos os que depositaram em mim sua confi ança e esperança. Há muito trabalho a ser feito, e como dizia Marcel Proust ´os dias talvez sejam iguais para um relógio, mas não para um homem´. E há muitos homens e mulheres neste Estado, que não podem esperar mais!”

Escreva um comentário