Em defesa dos direitos da infância e adolescência

A realidade da infância e da adolescência no Brasil exige que tenhamos atitudes firmes e responsáveis, embora desde 1988, crianças e adolescentes tenham tido seus direitos fundamentais garantidos e reconhecidos no artigo 227 da Constituição Federal. Portanto, a proteção integral às crianças e adolescentes é um dever da família, do Estado e de toda a sociedade.

Mas a realidade ainda está distante do mundo ideal proposto nos estatutos. Milhares de crianças e adolescentes ainda são vítimas de abuso e violência de todas as formas: física, sexual, psicológica, negligência e abandono.

Nós, pais, amigos, vizinhos, educadores, líderes religiosos, agentes públicos,  somos os principais vetores desta proteção e prevenção, por que a maioria dos casos não é denunciada. E, quando há envolvimento de familiares, é mais difícil ainda que a vítima consiga denunciar. Por motivos afetivos, por medo do abusador, medo de perder os pais, medo de ser expulso de casa, medo de que não acreditem nele, ou medo de ser o culpado pela discórdia familiar.

Como educadora e defensora de Direitos fundamentais  por formação, há anos trabalho em prol desta causa e agora no legislativo vou ampliar esta luta que é de todos nós! Venha comigo em defesa do direito à infância e à adolescência!